17/08/2011 - E-Commerce cresce 25% no primeiro semestre de 2011 comparado à 2010

 

No dia 16 de agosto, Câmara e-net e E-bit divulgaram a 24° edição do relatório Webshoppers. Os dados apontam o crescimento do e-commerce brasileiro no 1° semestre de 2011, o perfil dos profissionais deste mercado, considerações sobre a segurança na cadeia de compra e as expectativas para o 2° semestre de 2011.

Balanço do 1° semestre de 2011

Por ser um relatório extenso e com muitos dados, vamos dividi-lo em três partes em uma série de posts sobre o Webshoppers. Na primeira etapa abordaremos o Balanço do 1° semestre de 2011, apresentando os dados e nossas considerações sobre o desempenho do e-commerce no Brasil.

O ano de 2011 começou batendo recordes. Em apenas seis meses, o faturamento do varejo online chegou aos 8,4 bilhões, mais do que todo o faturamento observado ao longo de todo o ano de 2008. Com o volume de pedidos de 25 milhões e crescimento de 24% em relação ao mesmo período do ano passado, o e-commerce brasileiro ficou atrás apenas em um ponto: tíquete médio.

Tíquete médio

Segundo dados da 22° edição do Webshoppers, o tíquete médio do 1° semestre de 2010 foi de R$379. Já no 1° semestre de 2011 o valor caiu para R$355. A explicação para a queda se deve ao maior volume de compra de televisores, tendo em vista que em 2010 aconteceu a Copa do Mundo de Futebol.

Por serem produtos de alto valor, impulsionaram o tíquete médio para cima. Porém, mesmo não sendo ano de Copa do Mundo, o tíquete médio de 2011 se manteve próximo do valor observado há um ano.

Dinheiro não é tudo

Além de conhecermos os dados sobre o faturamento do e-commerce, identificar o amadurecimento das empresas, no que diz respeito ao atendimento ao consumidor, é muito interessante. De acordo com o Movimento Internet Segura, 86,54% dos e-consumidores se consideram satisfeitos com o varejo eletrônico nacional. Um crescimento tímido de 0,54% em relação a 2010.

Porém, mesmo que pequeno, o crescimento neste campo mostra que os empresários estão no caminho certo. Ao mesmo tempo em que vendem mais, conseguem atender melhor seus clientes.

Datas comemorativas

Pela primeira vez na história do relatório, o Dia dos Namorados, aparece entre as 5 com maior volume de vendas. Junto ao Dia das Mães, as duas datas sazonais movimentaram R$1,4 bilhão. Aqui, a categoria de “Moda e Acessórios” aparece com destaque, sendo uma das mais vendidas.

Ponto positivo para as empresas deste setor e um bom sinal para quem deseja investir neste ramo. Uma categoria que, teoricamente, teria poucas chances no varejo online, pelo fato de demandar experimentação dos produtos, vem se mostrando rentável graças aos esforços dos varejistas na hora de expor os produtos nas vitrines virtuais.

Categorias mais vendidas

Dentre as categorias de produtos mais vendidas no 1° semestre de 2011, destaca-se a queda vertiginosa da de “Livros e Assinaturas de Jornais e Revistas”. Esta que ocupava a primeira posição há um ano, despencou para a 4° em 2011.

A categoria de eletrônicos, seguida por informática, saúde, beleza e medicamentos, livros e assinaturas de jornais e revistas e eletrônicos, completam o ranking das 5 mais vendidas do 1° semestre.

Considerações

Nesta primeira parte do relatório Webshoppers, podemos observar o crescimento constante e saudável do e-commerce nacional. Além de vender mais, a qualidade do atendimento se manteve. Obviamente, gargalos, especialmente com logística, jogam contra os varejistas.

A entrada de mais 4 milhões de pessoas para o grupo dos compradores online é um dado a se comemorar. Hoje temos 27,4 milhões de pessoas que já realizaram ao menos uma compra online. Isso demonstra a confiança dos brasileiros na hora de fazer uma compra pela internet e também, a chegada do e-commerce a mais classes sociais.

Hoje se sabe que a Classe C possui importante participação na economia nacional. No e-commerce não é diferente, pois 61% dos 4 milhões de novos consumidores pertencem a Classe C.

Em resumo, sabemos que o e-commerce está fazendo bonito e que de um mercado de nicho, estamos caminhando para constituição de um mercado a cada dia mais presente na vida de todos os brasileiros.

No próximo post traremos os dados sobre o mercado de trabalho no e-commerce e segurança virtual.

Fonte: eBehavior


Voltar